Blues, Beat & Beer
quarta-feira, setembro 28, 2005
  O Melhor Produto da Religião

Estávamos os quatro em torno de uma mesa de bar tentando resolver a próxima rodada. Chamamos a guria do bar para ver o que ela tinha a oferecer. Bom, em relação a bebidas no momento. Ela começou a listar as cervejas, quando um diz:

- Essa é interessante. Vocês conhecem? Parece que uns monges elaboraram essa cerveja lá na Bélgica. E blá blá blá...

Para falar a verdade, antes mesmo que ela terminasse de dizer o nome da cerveja, eu não lembrava mais de qual se tratava. O mais interessante foi o rumo que a conversa tomou após essa célebre cerveja. Começamos a discutir, com um certo nível alcoólico elevado, sobre as conseqüências da religião, assim como a cerveja e outras bebidas fermentadas ou destiladas que nasceram em segredo em uma cave escura e afastada do resto da humanidade. Mas, pelo bem dessa mesma humanidade, o segredo se espalhou e tornou-se popular.

Não é necessário somente olhar as coisas que aconteceram há muito tempo, como as cruzadas por exemplo. Nesse longo período da história onde cavaleiros lutaram e morreram em nome de sua religião e tentaram impor seu Deus como melhor que o Deus dos outros. Algumas religiões mudaram bastante, outras não muito, mas devem existir muitas que nasceram nesse tempo e outras ainda estão por nascer.

Um exemplo é o quinto cara mais rico do mundo que se orgulha em ser príncipe do berço do islamismo, mas ao invés de fazer política social, prefere montar uma grande barraca no meio do deserto uma vez por semana, para distribuir dinheiro para as pessoas doentes. Assim ele fica conhecido como o bom príncipe que ajuda os pobres. Além disso, no seu país, mulher não pode dirigir carro e precisa de autorização do marido mesmo para visitar seus pais em outra cidade.

Falando nisso, a primeira vez que encontrei uma mulher com lenço na cabeça, fui direto dando os tradicionais dois beijinhos no rosto, como sempre fiz. Nesse momento ouvi um gemido "huuummmm", como se ela estivesse pensando como ia fazer para se acertar com Allah depois desse grave pecado, ou mesmo como se acertar com seu marido. Confesso que me assustei um pouco, porque também pensei que isso poderia me trazer problemas com Allah, ou pior, com o marido dela. Na segunda vez que eu a encontrei, ela até deu um passo para trás quando me aproximei. Mas eu já estava mais habituado e não passei de um "Bom dia".

Os islamistas radicais também entram nessa. E entram botando para quebrar. Em nome da religião, se enchem de explosivos e vão para os metrôs matar um monte de gente do mal. Do outro lado dessa história, o cara com o maior exército do mundo, invade o país que quiser, dizendo que o mal na verdade é formado pelos caras com os explosivos e não ele. "O bem sempre vencerá o mal". Mas assim é fácil, se os dois lados são do bem, é claro que ele vai vencer.

E ainda temos como exemplo, religiões que prometem curar doenças do corpo, assim como Jesus fez. "Coloque a mão na região do corpo e tu serás curado pelo poder que Deus me concedeu". Depois começam as declarações dos incríveis poderes de Deus e, é claro, as arrecadações por serviços prestados. Imaginem o Maracanã cheio de doentes sendo curados. Isso tinha que estar na Bíblia e não uma coisa de amador como transformar água em vinho.

A verdade é que certas religiões se resumem a regras simples que todos devem seguir para chegar ao reino dos Céus. Assim como caderninho de bar de interior. Mas dessa vez, não existe um só nas redondezas, mas uma cadeia de bares, e um sempre bem próximo. Um grande empreendimento.

Tudo que tu fizeres nessa bodega de vida é anotado no caderninho e se tu ficares muito no negativo, podes ter problemas com o dono do bar (Deus no caso). Mas sempre existe uma forma de deixar um dinheirinho no bar mais próximo e ficar com um crédito temporário. Mas lembre-se, se não pagar a dívida, além de ter problemas com o serviço de proteção ao crédito, corre o risco de arder no fogo do inferno pelo resto da eternidade. E olha que a eternidade demora muito, mas muito tempo mesmo, para passar.

As coisas são bem simples. Tudo escrito em uma tabela colada na parede do recinto. Cada pecado tem seu preço, e pode ser compensado com uma boa ação ou uma doação direta de dinheiro ao padre. Quero dizer, a igreja. Uma violação aos 10 mandamentos é caríssima, e talvez impagável em uma vida. Terás que ajudar velhinhas a atravessar a rua pelo resto da tua vida.

E podes ter certeza que esse empreendimento funciona muito bem. Mesmo assim, as vezes algum funcionário do reino de Deus precisa dar explicações ao fisco por causa de algumas maletas cheias de dinheiro que ele está transportando de São Paulo para Brasília.

Eu concordo que para algumas pessoas que estão no fundo do poço, a religião pode gerar um certo conforto. Como eles mesmo dizem, criam uma nova esperança para viver. Outras pessoas até se sentem melhores vivendo sob o amparo da igreja. Mas a verdade é que o melhor produto da religião é mesmo a cerveja.
 
Comments:
Olha, Olha. Muito bom isso. A cerveja foi uma criação das boas realizadas pela santa sagrada mãe de Deus. Agora o pecado em si é ótimo também, pára pra pensar que se ele não existisse não ía dar pra ser muito rebelde ou fazer muitas coisas proibidas e fazer coisas proibidas é o que há de mais legal. A culpa não existe cara..como naquela cena onde o Neo encontra o menininho e ele não entende como o moleque entorta a colher, quando o sábio garoto fala: A colher não existe.
 
Postar um comentário

<< Home

Site Meter

Divulgue o seu blog!



Christon Delàs
christon.delas@yahoo.com

"It comes blundering over the
Boulders at night, it stays
Frightened outside the
Range of my campfire
I go to meet it at the
Edge of the light."
Gary Snyder
(How Poetry Comes to Me)

Um Dia Eu Escrevi Isso
A Origem de Tudo / O Melhor Produto da Religião / O Possante / A Ambição é uma Merda /

Os Ultimos Textos
Porque Toda Essa Merda? / O Nome do Golpe / Carl Gages, em 1984 / La Grange / A Origem de Tudo / America (Allen Ginsberg) /

No Passado
Agosto 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Setembro 2008 / Fevereiro 2009 / Junho 2009 / Maio 2011 / Setembro 2012 /