Blues, Beat & Beer
quarta-feira, setembro 28, 2005
  O Melhor Produto da Religião

Estávamos os quatro em torno de uma mesa de bar tentando resolver a próxima rodada. Chamamos a guria do bar para ver o que ela tinha a oferecer. Bom, em relação a bebidas no momento. Ela começou a listar as cervejas, quando um diz:

- Essa é interessante. Vocês conhecem? Parece que uns monges elaboraram essa cerveja lá na Bélgica. E blá blá blá...

Para falar a verdade, antes mesmo que ela terminasse de dizer o nome da cerveja, eu não lembrava mais de qual se tratava. O mais interessante foi o rumo que a conversa tomou após essa célebre cerveja. Começamos a discutir, com um certo nível alcoólico elevado, sobre as conseqüências da religião, assim como a cerveja e outras bebidas fermentadas ou destiladas que nasceram em segredo em uma cave escura e afastada do resto da humanidade. Mas, pelo bem dessa mesma humanidade, o segredo se espalhou e tornou-se popular.

Não é necessário somente olhar as coisas que aconteceram há muito tempo, como as cruzadas por exemplo. Nesse longo período da história onde cavaleiros lutaram e morreram em nome de sua religião e tentaram impor seu Deus como melhor que o Deus dos outros. Algumas religiões mudaram bastante, outras não muito, mas devem existir muitas que nasceram nesse tempo e outras ainda estão por nascer.

Um exemplo é o quinto cara mais rico do mundo que se orgulha em ser príncipe do berço do islamismo, mas ao invés de fazer política social, prefere montar uma grande barraca no meio do deserto uma vez por semana, para distribuir dinheiro para as pessoas doentes. Assim ele fica conhecido como o bom príncipe que ajuda os pobres. Além disso, no seu país, mulher não pode dirigir carro e precisa de autorização do marido mesmo para visitar seus pais em outra cidade.

Falando nisso, a primeira vez que encontrei uma mulher com lenço na cabeça, fui direto dando os tradicionais dois beijinhos no rosto, como sempre fiz. Nesse momento ouvi um gemido "huuummmm", como se ela estivesse pensando como ia fazer para se acertar com Allah depois desse grave pecado, ou mesmo como se acertar com seu marido. Confesso que me assustei um pouco, porque também pensei que isso poderia me trazer problemas com Allah, ou pior, com o marido dela. Na segunda vez que eu a encontrei, ela até deu um passo para trás quando me aproximei. Mas eu já estava mais habituado e não passei de um "Bom dia".

Os islamistas radicais também entram nessa. E entram botando para quebrar. Em nome da religião, se enchem de explosivos e vão para os metrôs matar um monte de gente do mal. Do outro lado dessa história, o cara com o maior exército do mundo, invade o país que quiser, dizendo que o mal na verdade é formado pelos caras com os explosivos e não ele. "O bem sempre vencerá o mal". Mas assim é fácil, se os dois lados são do bem, é claro que ele vai vencer.

E ainda temos como exemplo, religiões que prometem curar doenças do corpo, assim como Jesus fez. "Coloque a mão na região do corpo e tu serás curado pelo poder que Deus me concedeu". Depois começam as declarações dos incríveis poderes de Deus e, é claro, as arrecadações por serviços prestados. Imaginem o Maracanã cheio de doentes sendo curados. Isso tinha que estar na Bíblia e não uma coisa de amador como transformar água em vinho.

A verdade é que certas religiões se resumem a regras simples que todos devem seguir para chegar ao reino dos Céus. Assim como caderninho de bar de interior. Mas dessa vez, não existe um só nas redondezas, mas uma cadeia de bares, e um sempre bem próximo. Um grande empreendimento.

Tudo que tu fizeres nessa bodega de vida é anotado no caderninho e se tu ficares muito no negativo, podes ter problemas com o dono do bar (Deus no caso). Mas sempre existe uma forma de deixar um dinheirinho no bar mais próximo e ficar com um crédito temporário. Mas lembre-se, se não pagar a dívida, além de ter problemas com o serviço de proteção ao crédito, corre o risco de arder no fogo do inferno pelo resto da eternidade. E olha que a eternidade demora muito, mas muito tempo mesmo, para passar.

As coisas são bem simples. Tudo escrito em uma tabela colada na parede do recinto. Cada pecado tem seu preço, e pode ser compensado com uma boa ação ou uma doação direta de dinheiro ao padre. Quero dizer, a igreja. Uma violação aos 10 mandamentos é caríssima, e talvez impagável em uma vida. Terás que ajudar velhinhas a atravessar a rua pelo resto da tua vida.

E podes ter certeza que esse empreendimento funciona muito bem. Mesmo assim, as vezes algum funcionário do reino de Deus precisa dar explicações ao fisco por causa de algumas maletas cheias de dinheiro que ele está transportando de São Paulo para Brasília.

Eu concordo que para algumas pessoas que estão no fundo do poço, a religião pode gerar um certo conforto. Como eles mesmo dizem, criam uma nova esperança para viver. Outras pessoas até se sentem melhores vivendo sob o amparo da igreja. Mas a verdade é que o melhor produto da religião é mesmo a cerveja.
 

terça-feira, setembro 20, 2005
  Porque Toda Essa Merda?

Todo esse lixo enlatado, enfiado pelo ouvido esquerdo.
Vocês ficam esperando que eu seja certinho.
Vocês ficam esperando que eu diga OK para toda essa lama que eu piso.

Não venham me dizer que essa merda superficial faz bem para mim.
Quem disse para vocês que ficar vendo gente trancafiada numa casa é melhor que ler Ginsberg?
Quem disse para vocês que saber o nome dos personagens da novela das 8 é melhor que saber quantos já disseram Foda-se para tudo isso?
Quem disse que vocês serão mais felizes se vocês se comportarem?
Quem disse para vocês a hora de acordar, comer, trabalhar, respirar?

Não venham me dizer que estou sendo imaturo.
Vocês são manipulados como cães de circo.
Pode ter certeza que eles vão usá-los e depois vão dar um pé na bunda quando vocês não forem mais úteis.
E vocês vão continuar achando que isso é normal.

Não venham me dizer que eu estou errado.
Foram eles mesmos que disseram que isso é bom e vocês acreditaram.
Tudo isso fede e de júpiter podemos sentir o cheiro.

Não venham me dizer que isso é bom para mim.
Eu não sou uma de suas peças de xadrez.
Eu não nasci para ser manipulado como vocês tentam fazer.
Eu não nasci para ter essa vidinha medíocre.
Eu odeio toda essa cegueira imposta.
 

sábado, setembro 17, 2005
  O Nome do Golpe

Eu nunca fui muito de me ligar as coisas. Menos ainda, nunca fui de ficar pensando em ter uma carreira bem sucedida. Já larguei várias coisas na metade porque achei que era hora e desisti de muitas coisas pelo simples motivo de não me agradarem. Mesmo para minha mulher sempre disse, desde o dia que nos conhecemos, que eu nunca seria um cara rico. Talvez esse tipo de ambição não sirva para mim.

Mas uma coisa que eu sou apaixonado é essa maquina maravilhosa chamada Motocicleta. Principalmente se for uma Harley Davidson. Ouvir aquele ronco é como música. Com certeza essa é a melhor invenção do homem. Concordo que a roda é a invenção mais importante. Mas isso só comprova como a moto é a invenção mais perfeita, tem duas. E mais que duas rodas é exagero.

Em uma dessas discussões pela internet sobre motos, um cara pergunta qual é o caminho para chegar a uma Harley. Todo o tipo de resposta imaginável foi dada. Roubo, trapaça e jogatina foram as mais leves. Mas no final, não se chegava a lugar nenhum. Quem já tinha uma, continuava com sua Harley, e quem não tinha ainda (meu caso), ficava ainda mais desanimado porque não via a menor chance de ter uma com os conselhos que vinham dessa discussão.

Mas para mim a discussão poderia ter acabado no momento que o Manco (eu não o conheço, mas ele se chama dessa forma) deu sua opinião. Não que isso me influencie a fazer algo a mais do que eu faria para ter a minha, mas posso dizer que ele colocou de uma forma muito interessante algo que a gente aceita como comum.

Ele falou o seguinte:

"Eu fiz uma pesquisa sobre aquelas coisas que eu falei lá atrás, e eu acho que a melhor jogada para se conseguir grana é explorar o trabalho do próximo ficando com a mais valia, dá mais dinheiro que sequestro.E você não precisa de ficar com a pessoa sob sua custódia, como no sequestro, você só fica com o produto do trabalho dele. Outra é que a vítima na maioria das vezes nem se dá conta que está sendo explorada. Os malandros mais espertos do mundo praticam, e são os mais ricos.

À primeira vista pode parecer que traficar drogas dá mais dinheiro porque a margem de lucro é mais alta, mas o volume de grana que dá pra levantar com a mais-valia é maior. E você não precisa subornar a polícia e os políticos, como tem que fazer no tráfico. Nessa modalidade de crime você só precisa de subornar os políticos, a polícia até te ajuda dando porrada nas suas vítimas (popularmente chamados no mundo do crime de otários) se elas se derem conta e reclamarem.

Mas ai de você se não subornar, os políticos , eles não te prendem nem nada, muito pior, muito pior, eles te colocam da posição de explorador para explorado. Nesse golpe tem dois tipos de otário, um que o Karl Marx chama de "proletários" e o outro " pequenos burgueses" , que é o que que você vira se esquecer de molhar a mão dos caras. Em outras palavras, tem todo tipo de otário, e nasce mais de um todo dia, tem otário que sabe que é otário, tem otário que nem desconfia, e tem otário que acha que é malandro, e esses são os mais otários .

Ficar rico trabalhando? Que idéia, meu camarada! Você acha que tem alguém nesse mundo que fica rico explorando só o próprio trabalho? Então os operários devem trabalhar muito pouco, ou o trabalho deles deve valer quase nada, porque o presidente da compania ganha mais que uma centena deles. Não , meu filho , se você quiser ganhar tutu de verdade o golpe é esse. Mas se você insiste em trabalhar, lembre-se que todo crime dá trabalho para cometer."

E completou,

"O nome do golpe é capitalismo. Ah, só um toque: quando for praticar, seja esperto e não escravize a vítima, pode parecer que dá mais grana mas dá menos."
 

sábado, setembro 10, 2005
  Carl Gages, em 1984

Carl Gages era um homem simples e sem muita pretensão em em relação a sua vida. Apesar de seus quase trinta anos, seu corpo magro e curvado, as rugas no rosto e sua roupa azul de trabalho sempre bastante empoeirada e suja, davam-lhe a impressão de no mínimo 45 anos.

Era difícil para Carl precisar há quantos anos ele estava trabalhando no Ministério da Paz, mas ele poderia afirmar que nunca tivera outro emprego. Carl trabalhava no setor de reconstrução de Londres. O SetCon era responsável por reconstruir áreas atingidas por mísseis lançados por nações em guerra com a Oceania.

Cada manhã, Carl se levantava as oito horas e acompanhava pela teletela as diretivas que deveria seguir na realização de seu trabalho no MinPaz. Apesar de não serem muitas, as diretivas não deveriam jamais serem escritas ou memorizadas. Além disso, eram repassadas todas as manhãs. Como de costume, ele se levanta e escuta as diretivas vindas da teletela, repetindo uma a uma após a voz metálica.

1. Aguardar;
2. Movimentar normalmente até área de sinistro;
3. Prioridade de tarefas: Teletela, Indivíduos e Reconstrução de habitações;
4. Reportar resultados.

As diretivas eram simples e deviam ser seguidas como leis do ministério. Ir até o local, restaurar o sistema essencial para o funcionamento das teletelas, liberar vias de escombros e após, verificar se pessoas deveriam ser encaminhadas ao socorro. Por fim, os imóveis eram restaurados.

Ao sair de sua residência, Carl sempre se dirigia diretamente ao Ministério da paz e aguardava um novo ataque. Seguia sempre o mesmo caminho até o trabalho, seguindo a orientação que sempre lhe foi passada desde criança. Quando chegava no Setor de Reconstrução, Carl ficava sentado numa sala cheia de bancos, ao lado de outras pessoas que ele jamais conversou. Esperava que a voz metálica de uma teletela lhe ordenasse para partir em direção da região atingida pelo míssil.

As explosões eram freqüentes. No mínimo uma vez por dia era preciso se deslocar até uma região atingida. Restaurar as teletelas, encaminhas as pessoas ao socorro e chamar o grupo de restauração dos imóveis. Às vezes Carl passava por alguma área que tinha sido atingida por mísseis alguns dias antes. Em certas ocasiões as habitações eram rapidamente restauradas, outras demoravam meses e certos prédios ou grandes condomínios nunca eram totalmente restaurados.

Fazia já uma hora que Carl estava na sala, quando veio a notícia para se deslocar até a Cannon Street, onde uma explosão acabava de ter acontecido. Vinte minutos após o chamado ele estava no local e começava a restaurar o sistema de teletela que havia sido totalmente destruído. O acesso ao local foi totalmente fechado para evitar que outras pessoas se aproximassem. Em pouco mais de uma hora o sistema de teletela já estava em funcionamento. As pessoas que necessitavam de cuidados já tinham sido levadas e toda a área de movimentação já estava desobstruída. Tudo voltava ao normal como se nada tivesse acontecido. Carl volta ao Ministério da Paz e relata os resultados para a teletela.

- Relatar dados do sinistro, dizia Carl para um buraco na parede junto a teletela.
- Iniciar procedimento, respondia a voz saindo da teletela.
- Chegada ao local às 9:36.
- Ok, prossiga.
- Teletelas 16.532, 16.533 e 16.535 restauradas e funcionando.
- Aguarde verificação...ok, prossiga.
- Cannon street perfeitamente desobstruída.
- Aguarde verificação..

Carl pensa na verificação imediata das informações que ele vem de passar para a teletela. Algum membro do partido interno deveria estar verificando neste momento se as ruas estavam mesmo em perfeito estado. Após alguns segundos, a voz metálica continuava.

- Verificação concluída, prossiga.
- Número de pessoas feridas, 46. Número de mortos, 3.
- Ok. Fim de transmissão.

Carl volta para a rotina na sala do SetCon. Espera que uma nova mensagem enviada pela teletela lhe diga oque fazer. Naquele dia, nenhuma outra tarefa lhe seria solicitada.

Apesar de ficar muito tempo a espera de tarefas, Carl jamais se perguntou o porquê de seu trabalho, se aquilo era bom ou mesmo se era isso que ele queria fazer pelo resto de sua vida.
 

Site Meter

Divulgue o seu blog!



Christon Delàs
christon.delas@yahoo.com

"It comes blundering over the
Boulders at night, it stays
Frightened outside the
Range of my campfire
I go to meet it at the
Edge of the light."
Gary Snyder
(How Poetry Comes to Me)

Outros Sites Similares ou Não
Literary Kicks / Utne.com / Beat, Whisky et Poésie / Post Road Magazine / Quadrinho Ordinário / Mau Humor / Ignorância Times / Desconstrualistas / Lactobacilo Morto / Pagando o Pato / Red Meat / ( ... ) / Beat Brasil /

Um Dia Eu Escrevi Isso
A Origem de Tudo / O Melhor Produto da Religião / O Possante / A Ambição é uma Merda /

Os Ultimos Textos
Ninfa / Frase / Filhos de nossa cabeça / A vitrine da alma / Das cinzas nada surge / El Cobarde / Sílvia e Carlão / O Bispo / Le Lautrec / A Velha Dama de Paris /

No Passado
Agosto 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Junho 2006 / Setembro 2008 / Fevereiro 2009 / Junho 2009 / Maio 2011 / Setembro 2012 /